Entrevista

Ilustradora de games brasileiros cria e explica campanha feminista “lute como uma garota”

Carolina “Kaol” Porfírio tem 28 anos e joga videogames desde a época do Atari. Ilustradora de games da empresa Kuupu, ela está no mercado brasileiro de jogos há três anos e só trabalhou lá, mas também fez trabalhos freelancers na Invent4 com um jogo educativo. Estuda tecnologia em jogos digitais na Feevale, é casada com o desenvolvedor Roni Silva e é da cidade de Torres, no Rio Grande do Sul. Ela criou em 10 de janeiro neste ano, através do Facebook, a campanha feminista “lute como uma garota” (fight like a girl), brincando com figuras conhecidas do mundo dos videogames e da cultura pop através de sua arte de fã.

carol-1

Geração Gamer resolveu conversar com Kaol para entender direito o seu projeto. Confira a nossa conversa.

carol-3

Desde quando você conheceu o feminismo e qual é o papel dele na sua vida?

Faz anos que conheço o feminismo, não me recordo exatamente quantos. Tem muito pouco que venho defendendo ele. Não tinha nenhum interesse pelo assunto antes e tinha um certo preconceito. O feminismo hoje está dentro na minha vida ligado diretamente aos questionamentos sobre o papel da mulher, que antes eu ignorava, e a liberdade que todas nós devemos ter.

carol-2

Por que você criou o projeto “lute como uma garota”?

Iniciei a “Fight Like a Girl” com o proposito de desabafar. Acredito que muitas mulheres se identificaram com a série pelo mesmo motivo que eu quis dar origem a ela. Meu desejo é homenagear personagens mulheres fortes que despertam orgulham em nós, nem que seja só um pouco. Elas, mesmo sendo fictícias, inspiram a vida de muitas pessoas para lutar pelos seus direitos.

carol-4

Este projeto tem te ajudado a refletir sobre os jogos de videogame e a cultura pop pelo viés do feminismo?

Bastante, isso me leva a pensar muito. A cada personagem que eu desenho, o funil se fecha mais e está difícil enxergar os pontos positivos das personagens sem levar em conta os negativos. Senti isso ao escolher a Tifa de Filnal Fantasy VII. Foi minha maior dificuldade até aqui dentro da campanha, já que ela é sexualizada pelos homens. Às vezes ela é representada como uma personagem dependente. Mas ainda assim é uma personagem forte que eu desejei incluir nesta campanha.

carol-5

Os nerds são machistas? Se sim, como?

São e eu entendo que não notem isso porque não se questionam o suficiente. A sexualização excessiva e a objetificação de personagens femininas no universo nerd não tem nada de diferente de qualquer industria de entretenimento focada no publico masculino. Elas usam como desculpa, muita vezes, o argumento de que essa inferiorização feminina faz “parte da fantasia” ou “liberdade do design” dos jogos e dos produtos da cultura pop, do cinema. O que realmente acontece é a mulher sendo retratada como um objeto de prazer para agradar o publico masculino.

Você acredita que suas ilustrações acabam com a ideia de que as mulheres são sempre delicadas e apenas donzelas?

Talvez, mesmo que nem todas sejam o exemplo mais desejado de mulher forte ou independente.

carol-6

Kaol, você já fez parte de algum time de desenvolvimento de um jogo com um viés mais feminista e igualitário?

Nos nossos projetos da Kuupu, estamos pensando sempre em tratar isso de alguma forma. Mesmo que nosso personagem principal seja masculino, como é o caso de Legend of Veranis, a historia segue apresentando uma mulher tão forte e significante quanto o próprio protagonista. O projeto que estamos finalizando agora, o Cubenator, tem vários personagens que foram escolhidos por pessoas da industria de jogos em votação. Com isso, foram escolhidos personagens humanos ou não, de cores e gêneros bem diferentes do comum dos jogos machistas.

carol-7

Os abusos que ocorreram com mulheres durante o episódio do GamerGate popularizaram o tema do feminismo entre os jogos eletrônicos?

Sim e, além de popularizar, ainda se tornou o tema mais odiado (risos)! O GamerGate não foi algo bom, mas ele despertou questões de misoginia que não tinha sido tratadas com tanto vigor como foram agora. Espero que esse tenha sido o inicio de um melhora significativa para as mulheres e sua imagem na industria de jogos.

Acompanhe Geração Gamer no Facebook e no Twitter.

Anúncios
Padrão

12 comentários sobre “Ilustradora de games brasileiros cria e explica campanha feminista “lute como uma garota”

  1. Pingback: 10 novidades que mexeram com a cena brasileira de games – 31/01/2015 | Geração Gamer

  2. Excelente, gostei.
    É melhor do que outras iniciativas que querem melhorar essa situação toda “combatendo” os homens, querendo diminuir a importância deles ou colocando a mulher como superior. A raiz do mal lá no começo da vida são aquelas falas e ideias que diminuem a importância e capacidade da mulher, então que tratemos de restaurá-la.
    Ao invés de fazer as pessoas terem vergonha de serem homens, que faça as mulheres terem orgulho de serem mulheres. Não precisa sair no braço com ninguém, sem morte.

    Curtir

  3. bebeto_maya disse:

    A própria conclusão de que há um enorme repositório de personagens femininos nos games (através das ilustrações da autora) prova precisamente que este “feminismo” é um movimento afetado de vitimismo. Basicamente, você dá ao significante o significado que quiser, ou seja, traveste censura de igualdade e “participação igualitária”. A autonomia do roteiro deixa de existir e cede a compulsão cotista de viés privatista. Colocarei personagens fortes no meu game se o roteiro assim exigir e não por imposição. Gamergate foi um espetáculo exagerado por radicais como Anita Sarkeesian.

    Curtir

  4. Pingback: Campanha brasileira “lute como uma garota” vira camiseta e ganha mais personagens de games | Geração Gamer

  5. Pingback: Feministas fazem mobilização gamer no tumblr “O Controle é Meu” | Geração Gamer

  6. Pingback: Geração Gamer. Ano Um | Geração Gamer

  7. Pingback: Os 10 posts mais lidos de 2015 | Geração Gamer

  8. Pingback: Os 10 melhores posts de 2015 | Geração Gamer

  9. Pingback: Queremos mais mulheres escrevendo sobre games – e há oportunidades neste site | Geração Gamer

  10. Pingback: Kaol Porfírio, de “Lute Como Uma Garota”, lança game Exodemon no Greenlight do Steam | Geração Gamer

  11. Pingback: A Garota Que Jogava Demais | Segredo Da Raposa

  12. Pingback: Vote no game brasileiro de destaque desenvolvido por mulheres entre 2015 e 2016 | Geração Gamer

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s