Resenha

Como foi jogar o primeiro game brasileiro no Oculus Rift DK 2, o Pixel Rift

Nossa reportagem visitou o escritório da Agência Enken, em São Paulo, nesta segunda-feira (10) e testamos o Pixel Rift, jogo desenvolvido para o Oculus Rift pela brasileira Ana Ribeiro. Ela abandonou sua carreira de funcionária pública no Maranhão, onde vendia empadas, para aprender e criar games no Reino Unido. O jogo foi instalado em um Development Kit 2 (DK2) do Rift e teve que ser ajustado como extensão de uma tela de um PC Windows para funcionar com perfeição. Apesar desses ajustes, a ideia de Ana surpreende muito ao vivo. No Brasil, a Enken pretende ajudar no desenvolvimento e no aprimoramento do mercado de games publicitário (advergames) e de software voltado para a realidade virtual em aparelhos como o Rift.

oculus-rift-2

Demo de uma única fase

A versão disponível até o momento em Pixel Rift possui apenas uma fase, que ocorre em 1989. No menu do game, você controla uma menina ainda criança, para selecionar as missões. Uma vez escolhida, a garota cresce e você se vê dentro de uma sala de aula.

pixel-rift-6

Você está com um aparelho similar a um Game Boy escondido na parte inferior da sua carteira. A professora dá uma aula e repreende severamente os alunos desatentos, inclusive você. Na pele da menina, você pode utilizar um canudo para tirar bolinhas de papel na professora ou nos colegas, simplesmente olhando para o lado direito da tela. Há pessoas na sua frente, em fileiras, e atrás. O som é alto e envolvente, com nuances que realmente remetem à infância. A voz da professora é mais estridente e irritante.

pixel-rift-2

Tente jogar o Game Boy simplesmente olhando para baixo quando a professora não estiver vendo. Quando você fizer isso, o game de verdade começa em Pixel Rift.

Dois jogos dentro de um

O videogame portátil mostra um jogo chamado Pixel Rift em que você controla uma heroína similar a Mega Man e Metroid. Seus comandos são correr, saltar e disparar tiros com o canhão de seu braço. Derrube dois robos gigantes e ande para a direita no ambiente 2D similar a um jogo retrô. Um grande chefão se aproxima. O jogo funciona melhor em controles de mão.

Se você fizer tudo certo, o game sairá da telinha e vai ocupar a sua carteira na sala de aula. Surgirá, diante de sua heroína, um dragão alado impossível de ser derrotado. Ele só pode ser derrubado de uma maneira: Atirando as bolinhas de papel que você jogava na professora ou nos colegas. Acerte o dragão com as bolinhas e ele cairá. Com ele no chão, sua heroína digital precisar atirar nele com seu canhão até que se esgotem os pontos de vida.

pixel-rift-4

Caso você derrote o chefão, os gráficos de Pixel Rift serão melhorados assim como evoluíram os consoles de videogames na vida de Ana Ribeiro e na nossa. Somos a “Geração Gamer” que viu os jogos digitais evoluírem de pixels grosseiros até jogos bem mais complexos.

Um jogo que homenageia a cultura dos videogames

oculus-rift-1

Pixel Rift é simples e carrega complexidades próprias. Ao invés de criar um protagonista homem padronizado, utilizando-se de arquétipos mais consolidados, Ana Ribeiro optou por criar uma heroína baseada em si mesma, embora ela ainda seja muito parecida com Samus Aran. O enredo principal do game não é o da garotinha na escola, mas sim o jogo digital que vai evoluindo com a passagem do tempo, segundo sua criadora. Para quem viu Atari, NES e Nintendo 64, o game brasileiro literalmente te teletransporta para reviver experiências. Quando eu consegui mover o personagem dentro do Game Boy, a minha pele arrepiou na hora, por pura nostalgia. É uma grande homenagem original.

Notas

– Gráficos: 9
– Som: 8,5
– Jogabilidade: 9
– Replay: 10
– Nota final: 9,2

Acompanhe Geração Gamer no Facebook e no Twitter.

Anúncios
Padrão

4 comentários sobre “Como foi jogar o primeiro game brasileiro no Oculus Rift DK 2, o Pixel Rift

  1. Pingback: Finalboss - Testamos o brasileiro Pixel Rift

  2. Pingback: 10 novidades que mexeram com a cena brasileira de games – 15/11/2014 | Geração Gamer

  3. Pingback: Ana Ribeiro's Pixel Rift Adventures Continue!NFTS GAMES

  4. Pingback: Ana Ribeiro e equipe abrem Kickstarter para financiar Pixel Ripped | Geração Gamer

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s