Opinião

O surgimento de uma vaga para escrever sobre games numa ótica feminista é uma boa notícia

No dia 6 de abril, uma segunda-feira, a revista Ovelha divulgou uma vaga para uma repórter de games que faça textos sob uma ótica feminista. O post no Facebook teve cerca de 1,5 mil compartilhamentos e foi muito bem recebido por um nicho que era deixado de lado no jornalismo de jogos digitais. Isso é uma boa notícia para a imprensa, castigada pelo recente processo de demissão em massa de quase 200 jornalistas no jornal O Estado de S.Paulo e outros rumores de problemas em grupos grandes de comunicação, como a Bandeirantes e a Folha de S.Paulo.

ovelha

Continuar lendo

Anúncios
Padrão
Reportagem

“O jornalismo de games não tem mulher”, diz Pablo Miyazawa durante a Campus Party 2015

Por Victor Frascarelli*

O palco Marte da Campus Party Brasil 2015, de jogos, recebeu nomes de peso do jornalismo brasileiro especializado em games numa tarde de quinta-feira (5). Sob a mediação de Pablo Miyazawa (IGN), reuniram-se Théo Azevedo (UOL Jogos), Caio Teixeira (Overloadr), Gustavo Petró (IGN), Nelson Alves Jr. (Inside Xbox), Pedro Falcão (Red Bull Games) e Humberto Martinez (PlayStation Oficial) para discutir o tema “Jornalistas ATIVAR!: Quais as perspectivas do jornalismo de games no Brasil?”.

jornalistas-debatem

Foto: Campus Party Brasil/Creative Commons

Continuar lendo

Padrão
Opinião

Por que eu acabei entrando no jornalismo de games?

Esta é uma pergunta que eu me pego fazendo diariamente, porque eu às vezes não lembro direito como começou. Só sei de uma coisa concretamente: Não era um sonho de infância. Mas acabei entrando na área e acho que estou pegando gosto em fazer jornalismo de videogame, especialmente aqui no Geração Gamer e nos demais sites em que eu colaboro.

jornalismo-de-games

Continuar lendo

Padrão
Opinião

O jornalismo brasileiro de games precisa falar mais sobre o Brasil

Texto originalmente escrito para o site Wii Are Nerds.

No dia 16 de abril de 2013 eu iniciei minha coluna Geração Gamer no site TechTudo, no portal Globo.com. Acabou no ano seguinte. Meu compromisso com aqueles textos semanais: Trazer, pelo menos, uma entrevista com desenvolvedores, músicos, artistas, fãs e gamers que contribuem para a construção da cena de jogos eletrônicos no Brasil. Não sei se consegui depoimentos interessantes sempre, e nem se meu texto transmitiu a importância deste tipo de cobertura local, mas foi a minha tentativa de contribuir para descobrir novos talentos em nosso país. Hoje prossigo com os mesmos valores neste site.

revistas

Continuar lendo

Padrão